Morus - Utopia e Renascimento

A revista MORUS - Utopia e Renascimento foi fundada em 2004 por Carlos Berriel, seu editor, professor de Literatura da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e por seu grupo de estudos sobre Renascimento e Utopia (CNPq). Ela é coeditada por Ana Cláudia Romano Ribeiro e Helvio Moraes. Anual, a revista congrega estudiosos oriundos de universidades localizadas em vários países e organiza congressos internacionais, resultantes de parcerias acadêmicas. Interessam à revista estudos sobre o problema da utopia e sobre temas relativos ao vasto período que a historiografia do século XIX denominou Renascimento. A revista MORUS também publica traduções de estudos, bem como de textos literários. Plurillíngue, a revista publica em português, francês, italiano, inglês e espanhol. Cada número traz um dossiê temático, além de artigos avulsos.

  


n. 10 (2015): A utopia italiana: particularidades, problemas, possibilidades


Capa da revista

A Morus 10 contém, além de artigos avulsos, os anais do IV Congresso Internacional de Estudos Utópicos "A utopia italiana: particularidades, problemas, possibilidades", organizado por Claudio De Boni, Gianluca Bonaiuti, Silvia Rodeschini, Carlos Berriel, Ana Cláudia Romano Ribeiro e Helvio Moraes, numa parceria entre a revista Morus - Utopia e Renascimento e a Università degli Studi di Firenze, realizado nos dias 11 a 13 de maio de 2015, em Florença.

Participam dos anais: Ana Cláudia Romano Ribeiro, Helvio Moraes, Monia Mezzetti, Vita Fortunati, Francesca Russo, Iveta Nakládalová, Carlos Berriel, Eros Grau, Silvia Zoppi Garampi, Diana Thermes, Claudio De Boni, Edgar De Decca, Silvia Rodeschini, Federico Tomasello, Francesca Pannozzo, Luca Menconi, Daniela Spinelli, Renata Altenfelder Garcia Gallo e Bruna Caixeta.  

Artigos avulsos de Fabrina Magalhães Pinto, Maria Célia Veiga França, Anna Rita Gabellone, André Prévost (traduzido por Ana Cláudia Romano Ribeiro) e Darko Suvin (traduzido por Helvio Moraes e Ana Cecília Araki).

Primeira tradução do alemão ao português de Wolfaria (1521), de Johann Eberlin, uma utopia entre Renascimento e luteranismo, por Julia Ciasca Brandão.