Gesta Grayorum e a formação do pensamento utópico de Francis Bacon: apresentação e tradução. Versão bilíngue

Helvio Moraes

Resumo


Parece-me um equívoco supor que Francis Bacon abraça o utopismo somente em sua fase de maturidade, com a escrita da Nova Atlântida, um de seus últimos textos, publicado postumamente em 1627. De fato, os temas centrais de seu pensamento podem ser identificados já nos seus textos de juventude, tendo como um dos fulcros sua notória defesa de uma ampla reforma do conhecimento. Neste artigo, busco perceber como alguns elementos, presentes não apenas em sua utopia, mas também em seu pensamento político, já se mostram no horizonte vislumbrado pelo então jovem advogado, no último decênio do século XVI, em um pequeno texto que lhe é atribuído e que, jocosamente, vale-se do gênero literário dos espelhos de príncipes para apresentar, a um fictício monarca, diferentes opiniões sobre os mais elevados fins de um Estado.


Texto completo:

PDF

Referências


BACON, Francis. Il parto maschio del tempo. A cura di Paolo Rossi. Torino: Editrice Torinese, 1975

BACON, Francis. The Major Works. Ed. Brian Vickers. New York: Oxford University Press, 2002

BACON, Francis. The Works of Francis Bacon. SPEDDING, J., ELLIS, R. & HEATH, D. (ed.). 14 vols. London: Longman, 1857-74.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os Dois Corpos do Rei – Um estudo sobre teologia política medieval. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

KOCHER, Paul H. “Francis Bacon and his Father”, Huntington Library Quarterly, vol. 21, nº 2 (Fev., 1958)

MAQUIAVEL. O Príncipe. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MORETTI, Masino Glauro. Machiavelli e Franscesco Bacone – L’accesso alla modernità. Roma: Edizioni Studium, 2011

PELTONEN, Markku. “Introduction” in PELTONEN, Markku (org.). The Cambridge Companion to Bacon. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

ROSSI, Paolo. Francis Bacon: da magia à ciência. Trad. Aurora Fornoni Bernardini Londrina: Eduel, Curitiba: Editora da UFPR, 2006.

SARGENT, Rose-Mary. “Bacon as an Advocate for Cooperative Scientific Research” in PELTONEN, Markku (org.). The Cambridge Companion to Bacon. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

SKINNER, Quentin. As Fundações do Pensamento Político Moderno. Trad. Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

SPURGEON, Caroline. “The Use of Imagery by Shakespeare and Bacon”, The Review of English Studies, Vol. 9, No. 36 (Oct., 1933).

SUMMIT, Jennifer. “ ‘Cogitation against Libraries’: Bacon, the Bodleian, and the Weight of the Medieval Past” in Memory’s Library: Medieval Books in Early Modern England. Chicago: The University of Chicago Press, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.