Interpretatio Linguarum, o mais completo tratado renascentista sobre tradução

Mauri Furlan

Resumo


Lawrence Humphrey compendiou a reflexão renascentista sobre a arte de traduzir produzindo o ingente tratado Interpretatio linguarum (Tradução de línguas), publicado em 1559. Dividido em três livros, com mais de 600 páginas, o tratado do teólogo puritano inglês, que, apesar de sua reconhecida importância, nunca foi reimpresso, nem recebeu edição crítica ou tradução integral a qualquer língua até hoje, é aqui apresentado em tradução ao português brasileiro. Abdicando de boa parte dos inúmeros exemplos oferecidos por Humphrey, selecionamos para esta publicação excertos do primeiro livro, o mais teórico de seu tratado, intitulado De ratione interpretandi (Da arte de traduzir).


Texto completo:

PDF

Referências


FURLAN, M. La retórica de la traducción en el Renacimiento. Tesi doctoral, Universitat de Barcelona, 2002. Online: http://www.tdx.cat/handle/10803/1717

HOMERO. Ilíada e Odisseia. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

HUMPHREY, L. Interpretatio linguarum, seu de ratione conuertendi & explicandi autores tam sacros quam prophanos, libri tres. Basileia: Froben, 1559.

LAUSBERG, H. Manual de retórica literaria. Fundamentos de una ciencia de la literatura. Trad. de José Pérez Riesco. Madri: Gredos, 1966.

NORTON, G. The ideology and language of translation in Renaissance France and their humanist antecedents. Genebra: Droz, 1984.

VIRGILIO. Eneida. Trad. de Manuel Odorico Mendes. Online: http://www.unicamp.br/

iel/projetos/OdoricoMendes/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.