v. 11, n. 1 (2016) Dossiê: Traduções brasileiras de obras do Renascimento (parte I)


Capa da revista

A Morus 11, número 1, traz a primeira parte do dossiê "Traduções brasileiras de obras do Renascimento", organizado por Ana Cláudia Romano Ribeiro (UNIFESP) e Helvio Moraes (UNEMAT).

No dossiê, há artigos de Élide Valarini Oliver, Pedro Garcez Guirardi, Pedro Falleiros Heise, Márcio Meirelles Gouvêa Junior e Régis Closel sobre suas traduções de, respectivamente, o Quarto livro de Rabelais, Orlando furioso de Ariosto, o De origine vita Dantis de Boccaccio, a Utopia de Thomas More e a peça Sir Thomas More, de Anthony Munday, Henry Chettle, Thomas Dekker, Thomas Heywood e William Shakespeare.

O dossiê também apresenta, em versão bilíngue, traduções inéditas, precedidas de apresentação: o poema Donna me prega, de Guido Cavalcanti, por José Clemente Pozzzenato; canções de John Dowland por Guilherme Gontijo Flores; Gesta grayorum, de Francis Bacon, por Helvio Moraes; a Carta al consejo de Índias, de Vasco de Quiroga, por Geraldo Witeze Junior; e os Giribizi d'ordinanza, de Maquiavel, por Luís Falcão.

Na seção de textos avulsos, Rodrigo Gonçalves traduz trechos do De rerum natura, de Lucrécio (em versão bilíngue), e discute a tradução rítmica; Mariano Martín Rodriguez estuda panoramicamente o tema inédito da "(Anti)gay utopian fiction in English and Romance languages"; Filipe Alberto da Silva investiga "Hermes Trimegistos no imaginário do Renascimento" e Silvia Rota Ghibaudi apresenta "Métodos de análise da utopia".

Na seção de resenhas, Elena Colombo apresenta Quando la fantascienza è donna: dalle utopie femminile dal secolo XIX all'età contemporanea, de Eleonora Federici.